Secretário da Segurança Pública deixa a classe operacional da Polícia Civil fora das discussões

Na última semana, o Governador do Estado de São Paulo, emanou um Decreto que recebeu o nº 63.420/2018, instituindo um grupo de trabalho para implementar a transferência da Polícia Civil para a Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania.

O grupo de trabalho será composto de representantes da Secretaria da Segurança Pública, Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania, Procuradoria Geral do Estado, Polícia Militar, Polícia Civil, Superintendência da Polícia Técnico-Científica e representantes de entidades de classe das policias militar, civil e Técnico- Científica.

Segundo o artigo 2º, § 3º da Resolução, ficaria a cargo do Secretário da Segurança Pública a indicação dos representantes das entidades de classe.

Na última segunda-feira, 28/05/2018, o Secretário da Segurança Pública, emanou a Resolução SSP-52, indicando os representantes do grupo de trabalho.

Para a nossa surpresa, a classe operacional da Polícia Civil foi deixada de lado, pois não houve a indicação de nenhum nome para compor o grupo de trabalho.

Houve a indicação de representantes classistas da carreira de Delegado de Polícia e dos Peritos Criminais, além de militares, mas as demais carreiras não terão nenhum representante.

Como é possível discutir matéria de tamanha relevância, que trará reflexos diretos a todos os policiais civis, sem contar com a participação de todas as carreiras?

O SIPESP desde já, na condição de legítimo representante dos Investigadores de Polícia do Estado de São Paulo, requer a participação no grupo de trabalho instituído e tomará, de forma imediata, as medidas judiciais cabíveis a fim de participar das discussões.

Até quando seremos deixados de lado?

A classe operacional da Polícia Civil merece RESPEITO!!!!!!

A Diretoria

Veja o decreto na íntegra:

Folha 1Folha 2Folha 3