S.O.S Segurança Pública

O movimento S.O.S Segurança Pública, realizou um ato público na cidade de São Paulo, que teve início em frente ao Palácio da Polícia Civil e seu término na Secretaria de Segurança Pública. Leia mais »

 

SIPESP presente na manifestação da ALESP

O SIPESP, representado por seu presidente, João Batista Rebouças da Silva Neto, esteve presente na manifestação contra a PEC 287 e por melhorias na Polícia Civil, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. 

Entidades classistas de outros Estados também estiveram presentes, além de policiais civis do interior e da capital, que estão mobilizados em prol de melhorias. 

As entidades não conseguirão nada sozinhas se não houver adesão maciça de todos os nossos policiais nos movimentos. 

A Diretoria

Amanhã é DIA NACIONAL DE PARALISAÇÃO contra a PEC 287

O SIPESP convoca todos os seus sindicalizados e policiais civis, a participarem amanhã, dia 15/03/2017, da mobilização contra a PEC 287, nociva a todos os trabalhadores. 

Às 10 horas da manhã a concentração ocorrerá na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo e às 16 horas o movimento ocorrerá no vão livre do MASP. 

Não podemos pagar a conta da corrupção e da péssima gerencia da classe política ao longo da história. 

O momento é agora e todos estão engajados em uma só luta, a fim de garantir direitos legítimos, conquistados com muita luta ao longo da história. 

A Diretoria

Dia Internacional da Mulher

MULHER…

Feliz dia pra você mulher, que não precisa de um dia para ser lembrada, que vai à luta, que brilha em dias escuros, que dá vida à novas vida, que chora, que ri, que vence o cansaço.

08 de março é o seu dia e todos os outros também serão, sempre!

FELIZ DIA INTERNACIONAL DA MULHER!

Homenagem do SIPESP às mulheres brasileiras e de todo o mundo.

Nota de Esclarecimento

Recebemos a informação de que alguns policiais civis se reuniram no interior, para discutirem, dentre outros assuntos, possível paralisação de policiais civis.

Esclarecemos inicialmente, que o SIPESP está e sempre esteve à disposição de toda classe policial civil, na luta por melhorias, dando o respaldo necessário para que os movimentos ocorram da melhor forma possível, inclusive trabalhando para evitar retaliações administrativas a policiais que estejam na luta, assim como ocorreu na greve de 2008.

O respaldo e todo o amparo legal para que os movimentos ocorram, só é possível, quando a entidade classista que esteja a frente, exercer a representatividade em todo o Estado de São Paulo, como é o caso do SIPESP e de outras entidades com a mesma representatividade. 

Sendo assim, todo e quaisquer movimentos paredistas, sem a participação de entidades representativas, com legalidade para representar, além de fadados ao fracasso por falta condições legais, podem causar ainda mais prejuízos aos policiais civis, que como dito, podem sofrer retaliações e responderem disciplinarmente. 

A omissão destas informações aos policiais civis, presentes ou não na mencionada reunião, por si só demonstra a fragilidade do movimento e enfraquece a luta de todos os policiais civis em prol de melhorias.

Sabemos que algumas entidades que estavam presentes na mencionada reunião, não possuem legitimidade para representar os nossos policiais civis e grande parte dos seus representantes pregam a desunião e o rompimento com outras entidades com representatividade, como se isso fosse resolver os nossos problemas. Muitos deles são aliados do Governo e outros se aliam com figuras políticas que declaradamente não gostam da polícia. 

Vivemos um momento delicado para movimentos paredistas, especialmente pela falta de regulamentação legal e por isso temos que agir de forma ordeira, demonstrando a nossa indignação e a nossa força, sem colocar em risco os nossos policiais, que por sinal já possuem muitos problemas. 

Sabemos das dificuldades e estamos trabalhando em conjunto com outras entidades, para que a situação atual da Polícia Civil seja amenizada, com uma reposição salarial adequada, com uma imediata reposição de pessoal e sem esquecer da preservação dos direitos à aposentadoria especial. 

Devemos permanecer mobilizados, para que possamos atingir o objetivo principal, que é o resgaste da dignidade dos nossos policiais e da nossa Polícia Civil. 

A Diretoria  

Presidente do SIPESP visita o 13º DP

No dia de hoje, o presidente do SIPESP, João Batista Rebouças da Silva Neto, visitou o 13º D.P. , localizado no bairro da Casa Verde em São Paulo.

Assim como nas demais Delegacias visitadas, os policiais puderam externar ao presidente do SIPESP, um pouco da atual situação por que passam.

A defasagem de pessoal, o receio das mudanças da previdência e a falta de reposição salarial, foram algumas das queixas dos policiais, que apesar das dificuldades, permanecem prestando um bom serviço à sociedade, elevando o nome da Polícia Civil.

O presidente do SIPESP, deixou claro, que as mudanças só ocorrerão pela união de todos os policiais civis, que devem estar sempre prontos para reivindicar, especialmente no cenário atual, que não está favorável para a classe policial civil.

Ressaltou ainda, que o SIPESP, sempre esteve engajado nas lutas da classe policial civil e atualmente reivindica melhorias em âmbito estadual e federal, inclusive para que a aposentadoria especial permaneça vigorando em favor dos nossos policiais.

A Diretoria

Presidente do SIPESP visita o 13º DP

Presidente do SIPESP visita o 13º DP

Presidente do SIPESP visita delegacia de São João de Boa Vista

No dia de ontem, 09/02/2017, o presidente do SIPESP, João Batista Rebouças da Silva Neto, visitou a Delegacia de São João da Boa Vista.

Estiveram presentes, dezenas de policiais civis da região, que puderam externar um pouco do atual momento vivido.

A defasagem policial, as péssimas condições de trabalho, a ausência de reajuste salarial, além do receio dos reflexos que a reforma da previdência podem trazer, foram algumas das queixas dos que estiveram presentes.

O presidente do SIPESP, esclareceu que é contra a PEC 287, especialmente no que se refere ao prejuízo que trará aos nossos policiais e que a entidade está empenhada na garantia de direitos conquistados ao longo da história. 

Também ressaltou que o momento é de união e que todos os policiais civis devem se preparar para enfrentar a situação. 

O presidente do SIPESP também foi entrevistado por rádios da região, esclarecendo a precária situação por que passa a Polícia Civil em nosso Estado. 

A Diretoria

Presidente do SIPESP visita delegacia de São João de Boa Vista

Presidente do SIPESP visita delegacia de São João de Boa Vista

SIPESP presente no movimento contra a PEC 287

No dia de ontem, 08/02/2017, o SIPESP, representado por seu presidente, João Batista Rebouças da Silva Neto, participou do movimento contra a PEC 287, em frente a sede da Polícia Federal em São Paulo.

A PEC 287, que trata de forma geral, da reforma da previdência, pretende extinguir do nosso ordenamento jurídico, a aposentadoria especial dos nossos policiais, afetando, dentre outros direitos, a integralidade dos vencimentos, no momento da aposentadoria.

Estiveram presentes no movimento, dezenas de entidades de classe de todo o país, com representatividade e legitimidade para representar os policiais.

O SIPESP permanecerá lutando pela classe policial civil, especialmente para garantir que direitos conquistados ao longo história, sejam preservados.

A Diretoria

Teste para porte de arma dos aposentados passa para 5 anos

Após muita luta do SIPESP em conjunto com a ACOMP/PE, representada na pessoa do seu presidente, George Neves, os policiais aposentados de todo Brasil foram beneficiados com o novo Decreto Presidencial de nº 8.935 de 19 de dezembro de 2016, que alterou o Decreto 5.123 de 01 de julho de 2004, que dispõe sobre registro, posse e comercialização de arma de fogo e munição.

O artigo 37 passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 37.Os integrantes das Forças Armadas e os servidores dos órgãos, instituições e corporações mencionados nos incisos II, V, VI e VII do caput do art. 6ºda Lei nº10.826, de 2003, transferidos para a reserva remunerada ou aposentados, para conservarem a autorização de porte de arma de fogo de sua propriedade deverão submeter-se, a cada cinco anos, aos testes de avaliação psicológica a que faz menção o inciso III do caput do art. 4ºda Lei nº10.826, de 2003. 

A partir deste Decreto, que entrou em vigor na data de sua publicação, 19/12/2016, os policias civis de todo o Brasil, deverão submeter-se aos testes, a cada 05(cinco) anos.

A Diretoria 

Matéria de Arnaldo Jabor no Jornal Estado de São Paulo

Matéria de Arnaldo Jabor no Jornal Estado de São Paulo de hoje:

Recesso de Final de Ano

Informamos que devido ao recesso de Final de Ano, encerraremos nossas atividades no dia 16/12/2016 às 16:00hs. Retornaremos no dia 05/01/2017 às 9:00hs.

Aproveitando o ensejo, desejamos a todos um Feliz Natal e um Próspero 2017.

Plantão Departamento Jurídico: Dra. Graziella Nunes – telefone: 11 99480-6681.