S.O.S Segurança Pública

O movimento S.O.S Segurança Pública, realizou um ato público na cidade de São Paulo, que teve início em frente ao Palácio da Polícia Civil e seu término na Secretaria de Segurança Pública. Leia mais »

 

Teste para porte de arma dos aposentados passa para 5 anos

Após muita luta do SIPESP em conjunto com a ACOMP/PE, representada na pessoa do seu presidente, George Neves, os policiais aposentados de todo Brasil foram beneficiados com o novo Decreto Presidencial de nº 8.935 de 19 de dezembro de 2016, que alterou o Decreto 5.123 de 01 de julho de 2004, que dispõe sobre registro, posse e comercialização de arma de fogo e munição.

O artigo 37 passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 37.Os integrantes das Forças Armadas e os servidores dos órgãos, instituições e corporações mencionados nos incisos II, V, VI e VII do caput do art. 6ºda Lei nº10.826, de 2003, transferidos para a reserva remunerada ou aposentados, para conservarem a autorização de porte de arma de fogo de sua propriedade deverão submeter-se, a cada cinco anos, aos testes de avaliação psicológica a que faz menção o inciso III do caput do art. 4ºda Lei nº10.826, de 2003. 

A partir deste Decreto, que entrou em vigor na data de sua publicação, 19/12/2016, os policias civis de todo o Brasil, deverão submeter-se aos testes, a cada 05(cinco) anos.

A Diretoria 

Matéria de Arnaldo Jabor no Jornal Estado de São Paulo

Matéria de Arnaldo Jabor no Jornal Estado de São Paulo de hoje:

Recesso de Final de Ano

Informamos que devido ao recesso de Final de Ano, encerraremos nossas atividades no dia 16/12/2016 às 16:00hs. Retornaremos no dia 05/01/2017 às 9:00hs.

Aproveitando o ensejo, desejamos a todos um Feliz Natal e um Próspero 2017.

Plantão Departamento Jurídico: Dra. Graziella Nunes – telefone: 11 99480-6681.

Presidente do SIPESP, João Rebouças, concede entrevista para o jornal Folha de São Paulo

A entrevista foi sobre:

Doria quer financiar bico de policial civil na região da cracolândia – 06/12/2016

Acesse a matéria na integra  através do link :
 http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/12/1838698-doria-quer-financiar-bico-de-policial-civil-na-cracolandia.shtml

Movimento S.O.S. Segurança Pública é recebido pelo Secretário da Segurança Pública

No dia de ontem, 03/11/2016, o Secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, recebeu os membros do Movimento S.O.S Segurança Pública. 

Na oportunidade, o movimento ressaltou que permanece unido e mobilizado na tentativa de obter melhorias para a Polícia Civil. 

O Secretário, ressaltou a importância do diálogo e comunicou que nos próximos dias, novos policiais civis, de todas as carreiras, serão convocados, destacando que a carreira de Escrivão de Polícia terá um número maior de convocações, em razão de ser a carreira com maior defasagem de pessoal. 

A próxima manifestação do Movimento S.O.S Segurança Pública, ocorrerá no próximo dia 08/11/2016, às 16:00hs, no vão livre do Masp, oportunidade que os policiais civis poderão externar o seu descontentamento. 

Juntos somos fortes, unidos somos imbatíveis! 

A Diretoria

Secretário da Segurança Pública

Movimento S.O.S. Segurança Pública é recebido pelo Secretário da Segurança Pública

Grupo de Estudos se reúne para tratar do Plano de Reestruturação da Polícia Civil

No dia de ontem, 31/10/2016, teve início as discussões que tratam do plano de reestruturação da Polícia Civil, criada através da Resolução- SSP-129/2015. 

O SIPESP, representado por seu presidente, João Batista Rebouças da Silva Neto, esteve presente na reunião, em companhia dos demais componentes do grupo. 

Em suas ponderações, o presidente do SIPESP, solicitou que o Governo também encaminhasse ao grupo, os projetos que visem a reestruturação e a valorização da polícia civil, além de se comprometer a ajudar nos estudos, para que possam apresentar soluções para os problemas da Polícia Civil. 

Dentre os assuntos, também foi discutido a imediata convocação dos aprovados nos concursos, o fim do interstício de cinco anos na classe para a mantença da mesma no momento da aposentadoria e o fiel cumprimento da Lei Federal 51/85, para que os aposentados tenham o direito a integralidade dos vencimentos, além da paridade. 

Todos os componentes do grupo puderam expor os seus argumentos com relação ao atual momento da Polícia Civil e se comprometeram a contribuir nos estudos. 

Em breve, nova reunião será convocada, com a apresentação da pauta contendo as reivindicações e projetos apresentados, que serão analisados e discutidos pelo grupo de trabalho. 

A Diretoria

Matéria da Folha de São Paulo, relata um pouco da nossa realidade

No último dia 25/10/2016, a Folha de São Paulo, publicou uma matéria com o título “Aposentadorias disparam, e Polícia Civil de São Paulo encolhe”. 

A matéria expõe a explosão de pedidos de aposentadorias dos nossos policiais, que cresceu mais de 800% em dez anos, não havendo reposição na mesma escala, fato que compromete os serviços e traz um quadro preocupante para os próximos anos, diante do envelhecimento da instituição.

A matéria ainda mostra que muitos policiais do serviço ativo ou estão próximos de se aposentar ou já possuem tempo para a aposentadoria, fato que agrava a defasagem de pessoal, que atualmente chega a aproximadamente 15.000 policiais.

Para o Governo, parte da defasagem foi motivada pela lei 144/14, que culminou na aposentadoria compulsória de centenas de policiais.

O Governo também coloca a culpa na crise econômica e na Lei de Responsabilidade Fiscal, como entraves para a contratação de novos policiais. Porém, alega que vem investindo na modernização de equipamentos e na contratação de mais funcionários.

Apesar dos argumentos, o que falta na verdade é uma política séria de Segurança Pública, com a plena valorização dos nossos policiais, que possa amenizar os nossos problemas. O policial civil sofre com o descaso do Governo e não possui nenhuma motivação para permanecer no serviço ativo.

Falta seriedade quando se abre concurso e não se convoca todos os aprovados. Falta seriedade quando o diálogo é realizado com “entidades” associativas sem qualquer comprometimento com a classe policial civil. Falta seriedade quando se interpreta a lei para prejudicar os nossos policiais.

Matérias como estas trazem informações que já são de pleno conhecimento da classe policial civil, porém são de suma importância e relevância para esclarecer a sociedade sobre a nossa situação.

A Diretoria

Nova resolução do Secretário da Segurança Pública traz mais uma atribuição aos Policiais Civis

No último dia 08/10/2016, o Sr. Secretário da Segurança Pública, editou a Resolução SSP-102, que em síntese, obriga o policial civil a apresentar o preso provisório à autoridade judiciária.

Dentre as obrigações, o policial civil deverá permanecer no Fórum até o término das audiências para a adoção das providências de polícia judiciária, enquanto um efetivo da Polícia Militar será destacado para acompanhar a movimentação do preso no interior do Fórum.

Tal Resolução, sobrecarrega o policial civil de todas as formas, pois além de receber mais um atributo, terá que “se virar” com as pífias condições de trabalho recebida da Administração para conduzir o preso até a audiência de custódia.

A sociedade também será afetada, pois o efetivo policial civil estará ainda mais reduzido, comprometendo as investigações e por consequência a elucidação dos crimes.

O SIPESP cobrou providências da Delegacia Geral, para que tal Resolução traga o menor desgaste possível aos nossos policiais.

Necessitamos de condições dignas de trabalho, de valorização profissional, efetivo policial compatível e comprometimento eficaz com a Segurança Pública.

 A Diretoria

Secretário da segurança pública recebe os representantes do Movimento S.O.S Segurança Pública

No dia de hoje, o Secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, recebeu os representantes do movimento S.O.S Segurança Pública.

O Secretário se mostrou solidário à pauta de reivindicações e afirmou que levará ao Governador as pretensões do movimento.

Ressaltou que novas nomeações serão realizadas até o término do corrente ano, fato que permanecerá ocorrendo, até que todos sejam efetivamente nomeados.

Todos os representantes tiveram uso da palavra e foram uníssonos em afirmar que o movimento permanecerá ativo e mobilizado até que a pauta reivindicatória seja atendida.

Também foi consenso entre os presentes, que as entidades que compõe o Movimento S.O S Segurança Pública, são as únicas que possuem legitimidade e representatividade para representar os policiais civis do Estado de São Paulo, de forma ordeira e organizada, em prol dos seus direitos.

Juntos somos fortes, unidos somos imbatíveis!

A Diretoria

SOS Seguranca Pública

Ato público do movimento S.O.S. Segurança Pública mostra força

No dia de ontem, 21/09, o movimento S.O.S Segurança Pública, realizou um ato público na cidade de São Paulo, que teve início em frente ao Palácio da Polícia Civil e seu término na Secretaria de Segurança Pública.

Este foi mais um passo dado pelo Movimento, composto de entidades representativas da classe polícia civil, que visa a imediata contratação dos candidatos que passaram nos últimos concursos da Polícia Civil e Polícia Técnico Científica, reajuste salarial e efetivo cumprimento da Lei Federal nº 51/85 para as aposentadorias, com paridade e integralidade.

O ato público também lembrou as dezenas de colegas mortos em serviço e mostrou ao governo a necessidade de dialogar, para uma efetiva melhora da Polícia Civil.

O ato público contou com a participação de centenas de policiais civis, dos presidentes de todas as entidades que fazem parte do movimento, além de entidades associativas da Polícia Militar que apoiam o movimento.

Juntos somos fortes, unidos somos imbatíveis!

A Diretoria