S.O.S Segurança Pública

O movimento S.O.S Segurança Pública, realizou um ato público na cidade de São Paulo, que teve início em frente ao Palácio da Polícia Civil e seu término na Secretaria de Segurança Pública. Leia mais »

 

Presidente do SIPESP visita o 13º DP

No dia de hoje, o presidente do SIPESP, João Batista Rebouças da Silva Neto, visitou o 13º D.P. , localizado no bairro da Casa Verde em São Paulo.

Assim como nas demais Delegacias visitadas, os policiais puderam externar ao presidente do SIPESP, um pouco da atual situação por que passam.

A defasagem de pessoal, o receio das mudanças da previdência e a falta de reposição salarial, foram algumas das queixas dos policiais, que apesar das dificuldades, permanecem prestando um bom serviço à sociedade, elevando o nome da Polícia Civil.

O presidente do SIPESP, deixou claro, que as mudanças só ocorrerão pela união de todos os policiais civis, que devem estar sempre prontos para reivindicar, especialmente no cenário atual, que não está favorável para a classe policial civil.

Ressaltou ainda, que o SIPESP, sempre esteve engajado nas lutas da classe policial civil e atualmente reivindica melhorias em âmbito estadual e federal, inclusive para que a aposentadoria especial permaneça vigorando em favor dos nossos policiais.

A Diretoria

Presidente do SIPESP visita o 13º DP

Presidente do SIPESP visita o 13º DP

Presidente do SIPESP visita delegacia de São João de Boa Vista

No dia de ontem, 09/02/2017, o presidente do SIPESP, João Batista Rebouças da Silva Neto, visitou a Delegacia de São João da Boa Vista.

Estiveram presentes, dezenas de policiais civis da região, que puderam externar um pouco do atual momento vivido.

A defasagem policial, as péssimas condições de trabalho, a ausência de reajuste salarial, além do receio dos reflexos que a reforma da previdência podem trazer, foram algumas das queixas dos que estiveram presentes.

O presidente do SIPESP, esclareceu que é contra a PEC 287, especialmente no que se refere ao prejuízo que trará aos nossos policiais e que a entidade está empenhada na garantia de direitos conquistados ao longo da história. 

Também ressaltou que o momento é de união e que todos os policiais civis devem se preparar para enfrentar a situação. 

O presidente do SIPESP também foi entrevistado por rádios da região, esclarecendo a precária situação por que passa a Polícia Civil em nosso Estado. 

A Diretoria

Presidente do SIPESP visita delegacia de São João de Boa Vista

Presidente do SIPESP visita delegacia de São João de Boa Vista

SIPESP presente no movimento contra a PEC 287

No dia de ontem, 08/02/2017, o SIPESP, representado por seu presidente, João Batista Rebouças da Silva Neto, participou do movimento contra a PEC 287, em frente a sede da Polícia Federal em São Paulo.

A PEC 287, que trata de forma geral, da reforma da previdência, pretende extinguir do nosso ordenamento jurídico, a aposentadoria especial dos nossos policiais, afetando, dentre outros direitos, a integralidade dos vencimentos, no momento da aposentadoria.

Estiveram presentes no movimento, dezenas de entidades de classe de todo o país, com representatividade e legitimidade para representar os policiais.

O SIPESP permanecerá lutando pela classe policial civil, especialmente para garantir que direitos conquistados ao longo história, sejam preservados.

A Diretoria

Teste para porte de arma dos aposentados passa para 5 anos

Após muita luta do SIPESP em conjunto com a ACOMP/PE, representada na pessoa do seu presidente, George Neves, os policiais aposentados de todo Brasil foram beneficiados com o novo Decreto Presidencial de nº 8.935 de 19 de dezembro de 2016, que alterou o Decreto 5.123 de 01 de julho de 2004, que dispõe sobre registro, posse e comercialização de arma de fogo e munição.

O artigo 37 passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 37.Os integrantes das Forças Armadas e os servidores dos órgãos, instituições e corporações mencionados nos incisos II, V, VI e VII do caput do art. 6ºda Lei nº10.826, de 2003, transferidos para a reserva remunerada ou aposentados, para conservarem a autorização de porte de arma de fogo de sua propriedade deverão submeter-se, a cada cinco anos, aos testes de avaliação psicológica a que faz menção o inciso III do caput do art. 4ºda Lei nº10.826, de 2003. 

A partir deste Decreto, que entrou em vigor na data de sua publicação, 19/12/2016, os policias civis de todo o Brasil, deverão submeter-se aos testes, a cada 05(cinco) anos.

A Diretoria 

Matéria de Arnaldo Jabor no Jornal Estado de São Paulo

Matéria de Arnaldo Jabor no Jornal Estado de São Paulo de hoje:

Recesso de Final de Ano

Informamos que devido ao recesso de Final de Ano, encerraremos nossas atividades no dia 16/12/2016 às 16:00hs. Retornaremos no dia 05/01/2017 às 9:00hs.

Aproveitando o ensejo, desejamos a todos um Feliz Natal e um Próspero 2017.

Plantão Departamento Jurídico: Dra. Graziella Nunes – telefone: 11 99480-6681.

Presidente do SIPESP, João Rebouças, concede entrevista para o jornal Folha de São Paulo

A entrevista foi sobre:

Doria quer financiar bico de policial civil na região da cracolândia – 06/12/2016

Acesse a matéria na integra  através do link :
 http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/12/1838698-doria-quer-financiar-bico-de-policial-civil-na-cracolandia.shtml

Movimento S.O.S. Segurança Pública é recebido pelo Secretário da Segurança Pública

No dia de ontem, 03/11/2016, o Secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, recebeu os membros do Movimento S.O.S Segurança Pública. 

Na oportunidade, o movimento ressaltou que permanece unido e mobilizado na tentativa de obter melhorias para a Polícia Civil. 

O Secretário, ressaltou a importância do diálogo e comunicou que nos próximos dias, novos policiais civis, de todas as carreiras, serão convocados, destacando que a carreira de Escrivão de Polícia terá um número maior de convocações, em razão de ser a carreira com maior defasagem de pessoal. 

A próxima manifestação do Movimento S.O.S Segurança Pública, ocorrerá no próximo dia 08/11/2016, às 16:00hs, no vão livre do Masp, oportunidade que os policiais civis poderão externar o seu descontentamento. 

Juntos somos fortes, unidos somos imbatíveis! 

A Diretoria

Secretário da Segurança Pública

Movimento S.O.S. Segurança Pública é recebido pelo Secretário da Segurança Pública

Grupo de Estudos se reúne para tratar do Plano de Reestruturação da Polícia Civil

No dia de ontem, 31/10/2016, teve início as discussões que tratam do plano de reestruturação da Polícia Civil, criada através da Resolução- SSP-129/2015. 

O SIPESP, representado por seu presidente, João Batista Rebouças da Silva Neto, esteve presente na reunião, em companhia dos demais componentes do grupo. 

Em suas ponderações, o presidente do SIPESP, solicitou que o Governo também encaminhasse ao grupo, os projetos que visem a reestruturação e a valorização da polícia civil, além de se comprometer a ajudar nos estudos, para que possam apresentar soluções para os problemas da Polícia Civil. 

Dentre os assuntos, também foi discutido a imediata convocação dos aprovados nos concursos, o fim do interstício de cinco anos na classe para a mantença da mesma no momento da aposentadoria e o fiel cumprimento da Lei Federal 51/85, para que os aposentados tenham o direito a integralidade dos vencimentos, além da paridade. 

Todos os componentes do grupo puderam expor os seus argumentos com relação ao atual momento da Polícia Civil e se comprometeram a contribuir nos estudos. 

Em breve, nova reunião será convocada, com a apresentação da pauta contendo as reivindicações e projetos apresentados, que serão analisados e discutidos pelo grupo de trabalho. 

A Diretoria

Matéria da Folha de São Paulo, relata um pouco da nossa realidade

No último dia 25/10/2016, a Folha de São Paulo, publicou uma matéria com o título “Aposentadorias disparam, e Polícia Civil de São Paulo encolhe”. 

A matéria expõe a explosão de pedidos de aposentadorias dos nossos policiais, que cresceu mais de 800% em dez anos, não havendo reposição na mesma escala, fato que compromete os serviços e traz um quadro preocupante para os próximos anos, diante do envelhecimento da instituição.

A matéria ainda mostra que muitos policiais do serviço ativo ou estão próximos de se aposentar ou já possuem tempo para a aposentadoria, fato que agrava a defasagem de pessoal, que atualmente chega a aproximadamente 15.000 policiais.

Para o Governo, parte da defasagem foi motivada pela lei 144/14, que culminou na aposentadoria compulsória de centenas de policiais.

O Governo também coloca a culpa na crise econômica e na Lei de Responsabilidade Fiscal, como entraves para a contratação de novos policiais. Porém, alega que vem investindo na modernização de equipamentos e na contratação de mais funcionários.

Apesar dos argumentos, o que falta na verdade é uma política séria de Segurança Pública, com a plena valorização dos nossos policiais, que possa amenizar os nossos problemas. O policial civil sofre com o descaso do Governo e não possui nenhuma motivação para permanecer no serviço ativo.

Falta seriedade quando se abre concurso e não se convoca todos os aprovados. Falta seriedade quando o diálogo é realizado com “entidades” associativas sem qualquer comprometimento com a classe policial civil. Falta seriedade quando se interpreta a lei para prejudicar os nossos policiais.

Matérias como estas trazem informações que já são de pleno conhecimento da classe policial civil, porém são de suma importância e relevância para esclarecer a sociedade sobre a nossa situação.

A Diretoria