S.O.S Segurança Pública

O movimento S.O.S Segurança Pública, realizou um ato público na cidade de São Paulo, que teve início em frente ao Palácio da Polícia Civil e seu término na Secretaria de Segurança Pública. Leia mais »

 

Exposição da Taurus no SIPESP terá início na próxima semana


Conforme noticiado anteriormente, o SIPESP e a Taurus firmaram uma parceria para aquisição de armamentos com condições especiais aos sindicalizados. 

A exposição irá do dia 17/07 ao dia 28/07 e contará com profissionais da Taurus, para que todas as dúvidas sejam dirimidas diretamente na exposição. 

Todo o material ficará exposto na sede da entidade, à Avenida Cásper Líbero nº 58, 7º andar, das 9:00hs às 16:00hs, no centro de São Paulo, onde poderá ser visto e analisado. 

Este é mais um benefício do SIPESP para os seus sindicalizados. 

A Diretoria

Direto da Câmara dos Deputados em Brasília, presidente Rebouças discute sobre o sucateamento da polícia judiciária

Abaixo, veja ao vivo o debate sobre o sucateamento da polícia judiciária:

SIPESP debaterá sobre o sucateamento da polícia judiciária em Brasília

Amanhã, 28/06/2017, às 16:30hs, o presidente do SIPESP, João Batista Rebouças da Silva Neto, estará na Câmara dos Deputados, em Brasília, para debater na Audiência Pública, promovida pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, sobre o sucateamento da Polícia Judiciária do país, especialmente no Estado de São Paulo. 

O presidente do SIPESP será um dos debatedores e atenderá o convite formulado pelo presidente da citada Comissão, Deputado Federal Capitão Augusto (PR/SP). 

Será levado ao conhecimento dos membros da Comissão, todas as dificuldades por que passa a Polícia Civil do Estado de São Paulo, motivada pelo descaso do Governo com a Segurança Pública. 

A Diretoria

SIPESP firma parceria com a Taurus

O SIPESP firmou parceria com a Forjas Taurus S.A, para que os seus sindicalizados tenham condições especiais na aquisição de armas voltadas para membros da Polícia Civil do Estado de São Paulo. 

Desta forma, aqueles que tiverem interesse, poderão ter acesso ao material que será exposto na sede da entidade, sito à Avenida Cásper Líbero nº 58, 7º andar, entre os dias 17 a 21 de julho e 24 a 28 de julho

Somente os sindicalizados terão direito aos descontos e condições especiais. 

Maiores informações serão prestadas nas semanas que antecederem a exposição.

Veja os modelos das armas acessando o link: folder-taurus

A Diretoria

SIPESP presente nas manifestações em Brasília contra as reformas

O presidente do SIPESP, João Batista Rebouças da Silva Neto, convocou o Diretor da entidade, José Elisio de Sant’anna, para representar os policiais civis do Estado de São Paulo nas manifestações em Brasília.

O SIPESP é contra as reformas da previdência e trabalhista e estará sempre ao lado dos trabalhadores ativos e inativos da nação. 

O SIPESP é a única entidade da classe policial civil do Estado de São Paulo presente nas manifestações e sempre estará presente nas principais lutas, pois nunca se omitiu contra qualquer tipo de abuso ou afronta aos direitos conquistados pela classe trabalhadora deste país. 

Acreditamos na união e na força das mobilizações, como forma de conquistar os nossos direitos. 

A Diretoria

SIPESP irá aderir ao movimento do dia 28/04

NOTA AOS SINDICALIZADOS: SIPESP IRÁ ADERIR AO MOVIMENTO DO DIA 28 – PELA DERRUBADA DAS REFORMAS QUE PRETENDEM TIRAR NOSSOS DIREITOS!

greve

Prezados Sindicalizados,

Se avizinha a propalada ‘greve geral’ prevista para ocorrer no próximo dia 28, sexta-feira. Nesta ocasião, orquestra-se a paralisação geral de todos os trabalhadores brasileiros, cuja mobilização contra as reformas propostas pelo atual (des) Governo pretende ao menos sinalizar a imensa insatisfação de grande parcela do povo brasileiro em face das mudanças sistêmicas que nos atingirão diretamente e tendem a, no longo prazo, prejudicar inclusive as gerações vindouras de concidadãos de nossa sofrida pátria.

A reforma da Previdência, mantida a redação atual do projeto proposto por Temer e seus asseclas, é monstruosa!

A uma porquanto atribui aos trabalhadores da base da pirâmide social (inclusive a nós, servidores públicos), a pesada conta do descontrole das finanças públicas. Tivesse o Governo começado, por primeiro, a discutir o injusto fardo tributário que pesa sobre nós, e talvez pudéssemos, a médio prazo, pensar na mudança de lógica das aposentadorias. Não se ignora que aposentados jovens, diante da crescente expectativa de vida das pessoas, pode ser prejudicial ao sistema. No entanto, em um País em que os grandes devedores da Previdência sequer são cobrados (cuja dívida está atualmente na casa dos bilhões de reais), é no mínimo injusto entregar a conta deste atual estado de coisas aos trabalhadores.

A duas porquanto é injusto não sabermos, por exemplo, qual a verdadeira destinação de contribuições sociais que todos pagamos e que deveriam, a rigor, ser destinadas para as contas da Previdência. Se consideradas no bolo dos tributos que pagamos, talvez a reforma da Previdência não precisasse chegar aos limites propostos pelo atual (des) Governo, cujo projeto fere de morte o Pacto Social que fizemos em 1988.

Podre País em que os ricos são perdoados e os pobres extorquidos! Podre País em que o sistema tributário é apenas um labirinto de leis destinado a nos enganar!

A reforma trabalhista é também, por qualquer ângulo que se veja, teratológica. A precarização da relação de trabalho, inclusive no âmbito do serviço público, apenas interessa ao grande capital, esvaziando por demais o poder de todos os trabalhadores, quer seja coletivamente, quer seja, especialmente , individualmente. O problema do emprego atualmente no Brasil não está, e jamais esteve, nas regras que regulam as relações de trabalho. Está na economia. Com ela sanada e retomado nosso crescimento, viveremos novamente a era do pleno emprego. No entanto, é mais fácil, pela atual lógica deste (des) Governo – cuja legitimidade política, diga-se de passagem, é no mínimo questionável, uma vez mais entregar a conta para os trabalhadores.

Pobre País em que os culpados são sempre aqueles que deveriam ser protegidos por nossos gestores públicos!

Por estas razões, e por mais uma infinidade delas (cuja exposição não nos cabe aqui), é que o SIPESP irá aderir ao movimento do dia 28, fechando suas portas neste dia! O movimento, a nosso juízo, não é (e nem deve ser) partidário! É contra uma visão equivocada de País!

Façamos nosso papel! Podem nos impedir de fazer greve, mas jamais irão nos calar! Antes de investigadores de Polícia, com muito orgulho, somos cidadãos! Pela derrubada destas reformas! Não iremos perder nossos Direitos! Não iremos perder nossa Dignidade!

A Diretoria

NÃO À PEC 287/16

A convite do deputado Carlos Giannazi, o presidente do SIPESP, João Batista Rebouças e o Diretor Sindical, Joraci de Campos, estiveram presente no dia de hoje 24/04/2017 às 10:00 hs na Assembleia Legislativa, para o Ato de Lançamento da Frente Parlamentar da Previdência – PEC 287/16.

Foram convidados os parlamentares signatários da Frente Parlamentar, além dos representantes de entidades e associações de servidores estaduais e municipais, pela luta contra os direitos das categorias.

O Presidente ao usar a palavra desmascarou os que lutam para o fim do Serviço Público e enfatizou que aqueles que votarem contra os servidores, terão os nomes  nos sites e jornais das categorias e que jamais terão os votos para se reelegerem.

Foi votado também e aprovado por unanimidade pelos presentes, a GREVE GERAL no dia 28 de ABRIL de 2017.

VAMOS PARAR O BRASIL , solicitou o Presidente Rebouças.

É AGORA OU NUNCA!

Querem dar um golpe em nossa Aposentadoria.

Não vamos deixar! Criem coragem. Façam esta luta, antes que seja tarde!

A Diretoria

Novas nomeações são efetivadas

Foi anunciado e devidamente publicado pela Imprensa Oficial do Estado, a nomeação de 1.118 novos Policiais Civis, sendo que destes, 321 são Investigadores de Polícia.

A nomeação atende, em parte, as reivindicações do SIPESP, que luta pela nomeação de todos os candidatos que passaram nos últimos concursos, a fim de amenizar a defasagem de pessoal.

A atitude do Governo ainda é tímida, pois necessitamos da nomeação imediata de todos os candidatos, além da abertura de novo concurso, para suprirmos toda a necessidade de pessoal, que vem dificultando o desempenho pleno das nossas funções policiais.

Ainda há muito a ser feito para atenuar os nossos problemas, especialmente com relação aos salários e condições dignas de trabalho.

Permaneceremos reivindicando e mobilizados por uma polícia civil mais fortalecida no desempenho de suas funções, em prol da nossa sociedade.

A Diretoria

A nossa “aposentadoria” nas mãos do Governo do Estado

Desde o anúncio de que as reformas previdenciárias para servidores públicos estaduais ficariam a cargo dos Estados, milhares de servidores públicos do Estado de São Paulo estão preocupados.

A razão para tanta preocupação todos já conhecem, pois há mais de 20(vinte) anos, nossos servidores são tratados com descaso pelo Governo, especialmente a classe policial civil.

Um Governo que é incapaz de dialogar seriamente com os representantes legais dos seus servidores, com certeza não agirá com cautela no momento das reformas.

Neste momento de incertezas, todos os policiais civis devem se mobilizar, filiando-se nos sindicatos com legitimidade e representatividade, para que possam lutar com força e receber todo o amparo legal que necessitarem.

Não podemos perder direitos conquistados a base de muita luta ao longo da história e assim, necessitamos do empenho de cada um de nossos valorosos policiais.

Se não tivermos esta consciência, certamente não poderemos desfrutar de uma aposentadoria digna e possivelmente, da forma como somos tratados, presenciaremos a extinção da Polícia Civil.

A luta já começou e só com união conseguiremos impedir que prejuízos nos atinjam.

A Diretoria 

SIPESP apoia a CPI da Previdência

No dia de hoje, com a presença de alguns diretores do SIPESP, o senador Paulo Paim, apresentou o requerimento para abertura da CPI da Previdência, com a assinatura de 50 senadores. 

O SIPESP apoia a CPI da Previdência, pois só assim afastaremos as responsabilidades da classe trabalhadora e faremos com que os verdadeiros responsáveis paguem a conta. 

A Diretoria